Guedes diz que reforma tributária está “absolutamente pronta” e só demanda acordo político

Segundo Guedes, o governo vai retomar a agenda de reformas

Marcello Corrêa
O Globo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a proposta de reforma tributária do governo está “absolutamente pronta” e deve ser encaminhada nos próximos dias ao Congresso. Ele afirmou ainda que espera que projetos de atração de investimentos sejam aprovados em até 90 dias.

“(O programa) já está pronto. Está absolutamente pronto para ser disparado e agora nós temos que justamente fazer os acordos políticos para ver como é que vamos fazer”, disse o ministro em transmissão ao vivo com empresários, ao se referir ao modelo de reforma tributária preparado pela equipe econômica.

AGENDA DE REFORMAS –  Segundo Guedes, o governo vai retomar a agenda de reformas, mas priorizará projetos para incentivar a geração de investimentos, emprego e renda. O ministro afirmou que o chamado novo pacto federativo, que previa a descentralização de recursos com estados e municípios, se tornou menos prioritário.

O ministro se referiu a projetos como o Novo Mercado de Gás e uma nova regulamentação para a navegação por cabotagem, após a aprovação do marco legal do saneamento no Congresso. “Tudo isso (conjunto de projetos para atrair investimentos) pode ser aprovado em 60 a 90 dias. E isso significa destravar os investimentos. Daqui a dois, três meses, se já mudamos o marco regulatório agora, os investimentos já estão sendo disparados”, afirma.

CARTEIRA VERDE-AMARELA – Guedes afirmou ainda que a agenda pós-pandemia incluirá um pilar social, após o governo cadastrar 38 milhões de invisíveis — que não estavam em programas de benefício. O ministro espera ainda criar a Carteira Verde-Amarela, para reduzir custos de contratação e incentivar a formalização.

“Ele (trabalhador) basicamente era um invisível. Nós agora vamos dignificar esse trabalho. Uma pessoa que pode ganhar R$ 500, R$ 600, R$ 700 trabalhando, em vez de recorrer a R$ 200 do Bolsa Família. Deixa ele continuar livre, mas agora com apoio de microcrédito, com imposto de renda negativo, com programas de aperfeiçoamento. Temos que dar a mão e dignificar o trabalho deles, em vez de ignorá-los”, afirmou o ministro.

7 thoughts on “Guedes diz que reforma tributária está “absolutamente pronta” e só demanda acordo político

  1. A reforma da Previdência foi benéfica para os militares

    “Brasil gasta 17 vezes mais com militar na reserva do que com aposentado pelo INSS” https://t.co/IegKcMHVW1

    Quem sairá beneficiado na reforma Tributária (?)
    Alguma dúvida de quem esse tchutchuco dos banqueiros irá beneficiar (?)

  2. Sr, Newton

    Reforma Tributária ou Reforma Bancária.???

    A propósito, que fim levou aquela fraude bilionária que o dignissímo Ministro dos Banqueiros fez com os fundos de pensão…??

  3. Mas, uma Reforma Tributária num País com Carga Tributária de +- 36% do PIB, que tem enorme Deficit Fiscal Nominal, aquele que leva em conta também o custo do carregamento da Dívida Pública, e não se tem ainda “o acordo Político” entre +- 28 Partidos Políticos no Congresso, sendo o Governo francamente Minoritário, “é complicado”. Então está faltando quase tudo para o “Concordo” dos que vão ter que pagar mais Impostos. Não é coisa fácil.

    Existe Gente capacitada no Congresso e 2 Reformas Tributárias estão em estudo, do Dep Fed BALEIA ROSSI, MDB, e Dep Fed LUIZ CARLOS HAULY, PSDB, que visam simplificar e tornar mais justa a Arrecadação de Impostos. Envolvem interesses da União, 27 Estados e 5.600 Municípios, tempo de transição de no mínimo 10 Anos, etc. Mas temos que fazer.

    Essa proposta do Min. Fazenda Dr. PAULO GUEDES, que não é detalhada no artigo acima, é uma simplificação e visa reduzir os Impostos das Empresas e aumentar os Impostos sobre a Renda de Capital , principalmente Distribuição de Dividendos atualmente Isentos, e corte de 20% dos Encargos da Folha de Pagamentos das Empresas compensada pela criação de uma nova CPMF com outro Nome e mais alguns “penduricalhos” na Renda. Não mexe nos Impostos sobre o Consumo que vem funcionando a contento.

    É complicado também porque o Congresso não tem simpatia pelo CPMF e o Presid. BOLSONARO é Contra. Mas acho que não escaparemos no futuro de algum Imposto tipo CPMF com nome de Digital, etc.

    Já que o Artigo de O Globo não opina, daremos nossa Opinião:
    Está correta a ideia do Min. GUEDES de não mexer muito nos Impostos de Consumo, talvez só uma Sin Tax nas bebidas alcoólicas, cigarros, etc, mas isso induz muito mais Contrabando, mas principalmente reduzir o Imposto nas Empresas e aumentar sobre o de Renda do Capital. Talvez fosse melhor reduzir 10% os encargos da Folha de Pagamentos das Empresas e ciar uma CPMF de bem pequena alíquota por 4 Anos, até sairmos do Atoleiro.

    • E os bancos?
      O impacto dos impostos sobre grandes empresas é ridículo… tem, sim, que contribuir mais!
      Noutra parte, as micro e pequenas precisam de alívio.
      Já a população, criar uma faixa nova para rendimentos acima dos 20 mil seria bom, mas principalmente criar um imposto sobre fortunas.
      Além disso, urgente a elevação do percentual limite de imposto sobre heranças a cargo dos estados, atualmente 8%… seguindo modelos de países como Alemanha, França, Espanha, Canadá, Japão, EUA, etc que taxam de 20% a 60% as heranças.
      – procure no Terraço Econômico que tem um artigo sobre isso

Deixe uma resposta para Flávio José Bortolotto Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *