Crimes atribuídos ao capitão miliciano Adriano são alvo de quatro investigações

Botto Maia, advogado de Flávio Bolsonaro,  com Raimunda Magalhães mãe do miliciano, e Márcia, mulher de Queiroz

Ricardo Brandt
Estadão

A morte do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega completou seis meses no domingo, dia 9, mas os crimes atribuídos a capitão Adriano ainda seguem no radar da polícia e do Ministério Público. Ao menos quatro frentes de investigação ainda podem atingir amigos, aliados e familiares de Nóbrega. Acusado de ter sido um dos milicianos mais poderosos, influentes e perigosos do Rio, ele era suspeito em homicídios, extorsão, agressão e lavagem de dinheiro.

Mas a investigação mais sensível é a que apura um suposto esquema de “rachadinha” (apropriação do salário de assessores) e nomeações de funcionários fantasmas no antigo gabinete do senador Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio entre 2007 a 2018.

QUEIROZ, O OPERADOR – O principal operador do esquema seria Fabrício Queiroz, ex-braço-direito do senador, amigo do miliciano morto. Nesta reportagerm, o Estadão mostra o que as investigações contra o miliciano já descobriram, reconstrói os últimos meses de foragido de capitão Adriano em oito Estados e aponta quais as ligações entre o criminoso e a família Bolsonaro.

Nascido em 1977, capitão Adriano cresceu em uma área do Rio de Janeiro dominada pela disputa fratricida dos herdeiros do bicheiro Waldomiro Garcia, o Miro. Entrou para a Polícia Militar em 1998 e logo virou do grupo de elite, o Batalhão de Operações Especiais (Bope). Graduado como atirador de elite (sniper) em 2001, virou também aliado e segurança dos contraventores.

Em 15 de maio de 2003, quando era 1.º tenente no 18.º Batalhão, em Jacarepaguá, matou o estudante Anderson Rosa de Souza, de 29 anos, durante uma abordagem na Cidade de Deus. Ele estava acompanhado do policial Fabrício José Carlos Queiroz. Ambos dizem que o jovem reagiu. O inquérito na Polícia Civil nunca foi encerrado e, em julho deste ano, o Ministério Público cobrou que ele seja concluído.

OUTRO ASSASSINATO – Em 27 de novembro de 2003, Nóbrega se envolveu em outro assassinato. A equipe que ele comandava no 16.º Batalhão, em Olaria, conhecida como “guarnição do mal” por ser formada por policiais linha dura, matou o flanelinha Leandro dos Santos da Silva, em Parada de Lucas.

O homicídio teria sido retaliação à acusação que a vítima fizera um dia antes de que homens do Grupamento de Ações Táticas (GAT), do qual Nóbrega fazia parte, realizavam ações de extorsão, tortura e sequestros na região.

O disparo foi dado pelo policial Italo Pereira Campos, o Ítalo Ciba — vereador do Rio que revelou que Flávio Bolsonaro visitou Adriano na prisão.

PRISÃO PREVENTIVA – Em janeiro de 2004, Adriano foi preso preventivamente, com outros policiais da equipe, e, em 24 de outubro de 2005, foi condenado em primeira instância pelo Tribunal do Júri. Ficou detido no Batalhão Especial Prisional — a prisão dos policiais militares — até 2006, quando foi solto, após o Tribunal de Justiça anular sentença de primeira instância e determinar novo julgamento. Em 2007, ele foi absolvido.

O capitão da PM foi preso novamente em 2011, numa operação contra o jogo do bicho, acusado de tentar matar um ex-aliado de Miro. O crime estaria ligado com a disputa entre herdeiros do bicheiro pelo controle de pontos do jogo do bicho e, em especial, de exploração de máquinas caça-nível.

Nóbrega continuou atuando como segurança da família de um dos filhos de Miro, Waldomiro Paes Garcia, o Maninho, e seu cunhado José Luiz de Barros Lopes, o Zé Personal. Pelo menos seis assassinatos, entre 2005 e 2010, são atribuídos a capitão Adriano e seus amigos policiais, a mando desse dois contraventores, que também foram mortes.

EXPULSO DA PM – A ligação com contraventores e as prisões resultaram na expulsão da PM, em 2014, quando o capitão Adriano virou miliciano, ocupando papel importante no novo comando do grupo que controla Rio das Pedras, comunidade com mais de 63 mil moradores, segundo o Censo de 2010. O ex-PM e seu grupo assumiram o local, aproveitando prisões e mortes dos antigos líderes.

Segundo o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Rio, a milícia fazia “grilagem, construção, venda e locação ilegais de imóveis; receptação de carga roubada; posse e porte ilegal de arma; extorsão de moradores e comerciantes, mediante cobrança de taxas referentes a ‘serviços’ prestados; pagamento de propina a agentes públicos; e agiotagem”.

INTOCÁVEIS I E II – Esses crimes levaram Adriano, outros policiais e ex-policiais a serem alvos das operações Intocáveis I e II, em janeiro de 2019 e fevereiro de 2020. Ele fugiu em 22 de janeiro de 2019. Cinquenta e oito milicianos tiveram prisão decretada.

Adriano era do Escritório do Crime, um grupo especializado em mortes por encomenda que cobrava até R$ 1,5 milhão por homicídio, segundo as investigações. O ex-capitão é apontado como um dos seus fundadores. Teria sido o mandante da morte do contraventor Marcelo Diotti da Mata em 14 de março de 2018, mesma noite em que a vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes foram executados.

A Polícia Civil prendeu dois supostos líderes atuais do Escritório do Crime, ligados a Adriano:  Leonardo Gouveia da Silva, o Mad, e seu irmão, Leandro Gouveia da Silva, o Tonhão. Mad teria sido o executor do assassinato.

‘RACHADINHA’ NA ALERJ – Adriano da Nóbrega empregou a mãe, Raimunda Veras Magalhães, e a ex-mulher, Danielle Mendonça da Nóbrega, por 11 anos na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), contratadas como assessoras no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro — filho mais velho do presidente, Jair Bolsonaro, e senador da República.

O Grupo de Atuação Especializada de Combate à Corrupção (Gaecc) do Ministério Público do Rio considera que Flávio Bolsonaro era o líder de uma organização criminosa que atuava em seu gabinete na Alerj — ele foi deputado estadual de 2003 a 2018 —, tendo Fabrício Queiroz como principal operador financeiro do esquema de arrecadação de parte dos salários dos assessores (rachadinha).

DEVOLUÇÃO – Raimunda e Danielle receberam R$ 1 milhão em salários da Alerj e devolveram pelo menos R$ 202 mil, por meio de transferências para a conta de Queiroz, e outros R$ 200 mil ainda não identificados. Os promotores tentaram localizar a mãe de Adriano, em 2018 e 2019, mas não a localizaram para entregar a intimação para o depoimento.

As apurações mostraram que Raimunda esteve em Minas Gerais e que recebia orientações jurídicas de outros investigados, em especial, Queiroz e um advogado de Flávio Bolsonaro, Luiz Gustavo Botto Maia.

Promotores do Gaecc acreditam que Queiroz e capitão Adriano, que serviram juntos na PM, agiram, desde o início das investigações, para atrapalhar o Ministério Público e a Justiça, pedindo, por exemplo, para testemunhas não prestarem depoimento. Eles teriam a orientação de superiores hierárquicos e advogados, segundo o MP.

“ABSOLVIÇÃO”– Em fevereiro de 2020, na semana em que Nóbrega morreu na Bahia, seu advogado, Paulo Emilio Catta Preta, entregou à Justiça do Rio a defesa do processo da Operação Intocáveis.

Os defensores pediram a “absolvição” do cliente, negaram todas as acusações do Ministério Público, apontaram falta de provas e ilegalidades e cerceamento de direitos, nas investigações e no processo. O documento critica ainda o que classificou de “expediente covarde”, da acusação, de buscar “assassinar reputação” do ex-policial, por meio de “pré-fabricação de elementos artificiais de condenação por meio da publicação de notícias falsas”.

Capitão Adriano considerava sua expulsão da PM, em 2014, injusta e tinha entrado com processo, contra a demissão.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGA morte de Adriano, tida como queima de arquivo, sepultou muitas provas, mas há imagens que valem mais do que mil palavras, como dizia o sábio Confúcio. A foto que ilustra a reportagem é uma delas. (C.N.)

5 thoughts on “Crimes atribuídos ao capitão miliciano Adriano são alvo de quatro investigações

  1. Para a polícia, criminosos de calibre grosso assim como Adriano, vivos, são fonte de propinas (erreglos) fecundas; mortos, servem para “assumir” crimes perpetrados pelos próprios policiais e/ou por bandidos protegidos deles.

  2. Tito buonna gente. O Rio era do tráfico que tinha a PM como inimiga, o resto da população era de usuários! Até dava (de graça) “proteção” dentro da favela. Agora a milícia ao contrário explora justamente quem mora na favela. A quem os favelados irão se aliar?

  3. Mais uma vez pergunto:

    Quem, minimamente informado, desconhecia o ENVOLVIMENTO CRIMINOSO da familícia bolsonaro com o crime organizado carioca, via Escritório do Crime?

    Importante:

    Toda e qualquer pessoa, minimamente esclarecida – ao votar em qualquer criminoso da familícia boçal -, tornou-se não somente eleitor, mas sim, cúmplice dos crimes de assalto aos cofres públicos e de assassinatos por encomenda, dentre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *